Na versão de estrada, o Ferrari 575M Maranello surgiu como uma evolução ao anterior 550 Maranello, tendo sido apresentado no Salão de Genebra de 2002. Representou também o envolvimento do Departamento "Corse Clienti" na preparação, neste caso através da empresa N-Technology, de um automóvel para as competições de Grande Turismo.
O 575 GTC tem um motor de seis litros que desenvolve uma potência de mais de seiscentos cavalos. O chassis é composto por uma estrutura tubular, e a suspensão está equipada com um sistema de regulação variável. As portas e o capot motor são em fibra de carbono.

Principais característica técnicas:

Motor:
Tipo F133EBE
12V a 65º, frente, longitudinal
5997 cc (90x46,6mm)
Distribuição: 4 ac, 4 válvulas por cilindro
Alimentação: Injecção electrónica Marelli
Potência máxima: 605 CV às 6300 rpm

Caixa de Velocidades: seis velocidades sequenciais, semi-automático
Chassis: Tubular em aço
Carroçaria: Berlinetta, dois lugares, em alumínio, com as portas e capots em fibra de carbono.


Designação dos chassis: #F131MGTxxxx


Campeonato FIA GT
Autódromo do Estoril
500 Km do Estoril
4 e 5 de Outubro 

(Foto: Nuno e Hugo Pereira / Estoril Race Photos)
#2208
(O primeiro dos 575 GTC construídos pela NTechnology/nº001)
Philipp Peter / Fabio Babini (Nº9)
JMB Racing
Treinos: 5ºs (1:36,932)
Corrida: 1ºs (106 Voltas, 3:00:47,187)

(Foto: Nuno e Hugo Pereira / Estoril Race Photos)
#2210
Boris Derichebourg / Christian Pescatori (Nº10)
JMB Racing
Treinos: 4ºs (1:36,898)
Corrida: Desistiram com problemas na caixa de velocidades (61 Voltas, 1:52:16,391)